960128-china-7629Os mais de 35 acordos firmados entre Brasil e China representam a entrada da geopolítica, em grande estilo, na casa bagunçada da política nacional.

A mídia, como era de se esperar, segue absolutamente perplexa, sem saber como atacar uma parceria que vai trazer para o Brasil um monte de fábricas de alta tecnologia, ferrovias continentais, satélites, projetos modernos de telecomunicações, etc.

Segundo Paulo Moreira Leite, este acordo só tem paralelo com o Plano Marshall, aquele que os EUA patrocinaram numa Europa destruída pela II Guerra, e que foi fundamental para reerguer o Velho Mundo.

O plano Marshall mobilizou, a partir de 1947, aproximadamente US$ 13 bilhões, o que corresponderia a US$ 130 bilhões em valores atualizados.

Isso para um continente inteiro, cuja infra-estrutura havia sido, em grande parte, destruída por bombardeios.

No Brasil, apenas um fundo de investimento, criado pela China para atuar no Brasil, receberá US$ 53 bilhões, e não fomos destruídos por nenhuma guerra. O dinheiro não será usado, como foi o Marshall, para reconstruir pontes e estradas, mas para abrir novas.

*

Reproduzo abaixo um texto do Helcio Zolini sobre o assunto.

Chinês tem olho pequeno, mas exerga longe

Por Helcio Zolini, em seu blog no R7

Os chineses não nasceram ontem. Pelo contrário: são donos de uma cultura e sabedoria milenares.

Possuem uma história marcada por guerras e conquistas, e acumulam enormes avanços científicos e tecnológicos nas mais diversas áreas do conhecimento.

São temidos pelo poderio bélico e militar.

E respeitados pelo gigantismo de sua população e pelo tamanho descomunal de sua economia, capazes de gerar riquezas ou turbulências em escala mundial.

Chinês pode ser tudo, mas não é bobo. Enxerga longe, apesar do olho pequeno.

Não é por acaso que a China se transformou numa das maiores e mais admiradas potências do planeta.

Por tudo isso, chama a atenção a aposta alta que fazem no Brasil, do qual querem ser um parceiro preferencial.

Esta semana, o primeiro-ministro, Li Keqiang, veio até aqui anunciar investimentos que somam vários bilhões de dólares, mais precisamente U$ 53 bilhões nos mais diversos setores, como agricultura, infraestrutura, transporte, ferrovia, energia, comércio exterior, comunicações e meio ambiente.

Os chineses querem também abrir fábricas no Brasil.

E, para espanto de alguns, querem, até mesmo, investir na Petrobras, a nossa estatal, criminosamente utilizada para malfeitos políticos e tão injustamente mal falada e depreciada por parte dos meios de comunicação e de setores da oposição, que, irresponsável ou intencionalmente, fecham os olhos para o grande e inestimável patrimônio estratégico que ela representa para o povo brasileiro.

Aliás, não será isso, entre outras coisas, o que os chineses estariam conseguindo vislumbrar?

Exatamente o que parte da oposição e uma grande parcela dos brasileiros, em função desse indesejável e insondável complexo de vira-latas, que volta e meia se manifesta entre nós, não consegue (ou não quer) enxergar?

Que o Brasil é um país estratégico, rico, sério e merecedor de todo o respeito.

Que ele é infinitamente maior do que possam achar determinados políticos de ocasião.

E que não serão supostas ou eventuais crises que irão comprometer o seu futuro.