Marina Silva, George Soros…e mais um suspeito acidente de avião

Publicado no Redecastorphoto

Interesses dos EUA e Globalistão de Soros na América Latina

[*] Wayne MadsenStrategic Culture

Another Suspicious Plane Crash in Latin America Bolsters American and Globalist Interests

Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

Eduardo-Campos-e-Marina-SilvaComo aconteceu nos partidos trabalhistas da Grã-Bretanha, da Austrália e Nova Zelândia, nos liberais e novos partidos democráticos canadenses, e no Partido Democrata dos EUA, interesses corporativos e sionistas infiltraram-se também no Partido Socialista Brasileiro e o converteram num partido da “Terceira Via”, pró-business e só muito fraudulentamente ainda denominado partido “socialista”.As eleições presidenciais no Brasil marcadas para outubro estavam sendo dadas como resolvidas, com a reeleição da atual presidenta Dilma Rousseff. Isso, até a morte, num acidente de avião, de um candidato absolutamente sem brilho ou força eleitoral próprios, economista e ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Dia 13/8, noticiou-se que o avião que levava Campos – candidato de centro, pró-business, que ocupava o 3º lugar nas pesquisas, atrás até do candidato do partido mais conservador (PSDB), Aécio Neves, também economista e defensor da ‘’austeridade’’ – espatifara-se numa área residencial de Santos, no estado de São Paulo, Brasil. Campos era candidato do Partido Socialista Brasileiro, antigamente da esquerda, mas hoje já completamente convertido em partido pró-business.

Já é bem visível que os EUA tentam desestabilizar o Brasil, desde que a Agência de Segurança Nacional dos EUA espionou correspondência eletrônica e conversações telefônicas da presidenta Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores (PT) e vários de seus ministros, o que levou ao cancelamento de uma visita de estado que Rousseff faria a Washington; e com o Brasil hospedando o presidente russo Vladimir Putin e outros líderes do bloco econômico dos BRICS em recente encontro de cúpula em Fortaleza.

Dilma-Aécio-Campos-maio-2014Mas Rousseff, que antagonizou Washington ao anunciar, com outros líderes BRICS em Fortaleza, o estabelecimento de um banco de desenvolvimento dos países BRICS, para concorrer contra o Banco Mundial (controlado por EUA e União Europeia) parecia imbatível nas eleições de reeleição. A atual presidenta era, sem dúvida, candidata ainda imbatível quando, dia 13 de agosto, Campos e quatro de seus conselheiros de campanha, além do piloto e copiloto, embarcaram no avião Cessna 560XL, que cairia em Santos, matando todos a bordo.O Departamento de Estado dos EUA e a CIA só fazem procurar pontos frágeis no tecido social do Brasil de Rousseff, para criar aqui as mesmas condições de instabilidade que fomentaram em outros países na América Latina (Venezuela, Equador, Argentina – na Argentina mediante bloqueio de créditos para o país, em operação arquitetada por Paul Singer, capitalista-abutre sionista) – e na Bolívia.

A queda do avião empurrou para a cabeça da chapa do PS a candidata que concorria como vice-presidente, Marina Silva. Em 2010, Silva recebeu inesperados 20% dos votos à presidência, como candidata de seu Partido Verde. Esse ano, em vez de concorrer sob a legenda de seu partido, Marina optou por agregar-se à chapa pró-business, mas ainda dita “socialista” de Campos. Hoje, Marina já está sendo apresentada – talvez com certo exagero muito precipitado! – como melhor aposta para derrotar Rousseff nas eleições presidenciais de outubro próximo.

Marina, que é pregadora cristã evangélica em país predominantemente cristão católico romano, também é conhecida por ser muito próxima da infraestrutura da “sociedade civil” global e dos grupos de “oposição controlada” financiados por George Soros, capitalista e operador de hedge fund globais. Conhecida por sua participação nos esforços para proteção da floresta amazônica brasileira, Marina tem sido muito elogiada por grupos do ambientalismo patrocinado pelo Instituto Open Society [Sociedade Aberta], de George Soros. A campanha de Marina, como já se vê, está repleta de palavras-senha da propaganda das organizações de Soros: “sociedade sustentável”, “sociedade do conhecimento” e “diversidade”.

Marina também apoia com muito mais empenho que Rousseff as políticas de Israel para a Palestina. Como se vê também nas Assembleias de Deus de cristãos pentecostais, Marina participa de uma facção religiosa que acolhe, não raro nas posições de comando organizacional, membros do movimento mundial dos “Cristãos Sionistas”, tão avidamente pró-Israel quanto organizações de judeus sionistas como B’nai B’rith e o World Jewish Congress. As Assembleias de Deus creem no seguinte, sobre Israel:Marina exibiu-se ao lado da equipe do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012. O ministro dos Esportes do Brasil, Aldo Rebelo, disse que a exibição de Marina naquela cerimônia havia sido aprovada pela Família Real Britânica, e que ela “sempre teve boas relações com a aristocracia europeia”.

Segundo a Escritura, Israel tem importante papel a cumprir no fim dos tempos. Por séculos, estudiosos da Bíblia ponderaram sobre a profecia de uma Israel restaurada. “Eis o que diz o Senhor Soberano: Tirarei os israelitas das nações para as quais foram. Reuni-los-ei de todas as partes e os porei juntos na sua própria terra”. Quando o moderno estado de Israel foi criado em 1948, e os judeus começaram a ir para lá, de todos os cantos do mundo, os estudiosos da Bíblia viram ali a mão de Deus em ação; e que nós viveremos lá os últimos dias.

Em 2010, Marina foi listada, pela revista Foreign Policy, editada por David Rothkopf, do escritório de advogados Kissinger Associates, na lista de “principais pensadores globais”.Em 1996, Marina recebeu o Prêmio Ambiental Goldman, criado pelo fundador da Empresa Seguradora Goldman, Richard Goldman e sua esposa, Rhoda Goldman, uma das herdeiras da fortuna da empresa de roupas Levi-Strauss.

O mais provável é que jamais se conheçam todos os detalhes do acidente que matou Campos. Participam hoje das investigações sobre o acidente a National Transportation Safety Board (NTSB) e a Federal Aviation Administration, do governo dos EUA. Membros dessas duas organizações com certeza serão informados do andamento das investigações e passarão tudo que receberem para agentes da CIA estacionados em Brasília, os quais tudo farão para ter o título “Trágico Acidente” estampado no relatório final.

A CIA sempre conseguiu encobrir sua participação em outros acidentes de avião na América Latina que eliminaram opositores do imperialismo norte-americano naquela parte do mundo. Dia 31/7/1981, o presidente Omar Torrijos, do Panamá, morreu quando o avião da Força Aérea panamenha no qual viajava caiu perto de Penonomé, Panamá. Sabe-se que, depois que George H. W. Bush invadiu o Panamá em 1989, os documentos da investigação sobre o acidente, que estavam em posse do governo do general Manuel Noriega foram confiscados por militares norte-americanos e desapareceram.

Cessna_560XL_Citation_XLSComo o avião de Roldós, o Cessna de Campos também não tinha gravador de dados de voo. Além disso, a Força Aérea Brasileira anunciou que duas horas de conversas gravadas pelo gravador de voz da cabine de voo do Cessna em que viajava Campos não incluem qualquer conversa entre o piloto, copiloto e torre de controle naquele dia 13 de agosto. O gravador de voz da cabine a bordo do fatídico Cessna 560XL foi fabricado por L-3 Communications, Inc.de New York City. Essa empresa L-3 é uma das principais fornecedoras de equipamento de inteligência e espionagem para a Agência de Segurança Nacional dos EUA, a mesma empresa que fornece grande parte das capacidades de escuta de seu cabo submarino, mediante contrato entre a ASN (Agência de Segurança Nacional – NSA em inglês) e a Global Crossing, subsidiária da L-3.Dois meses antes da morte de Torrijos, o presidente Jaime Roldós do Equador, líder populista que se opunha aos EUA, havia também morrido num acidente de avião: seu avião Super King Air (SKA), operado como principal aeronave de transporte oficial pela Força Aérea do Equador, caiu na Montanha Huairapungo na província de Loja. No avião, também viajavam a Primeira-Dama do Equador, e o Ministro da Defesa e esposa. Todos morreram na queda do avião. O avião não tinha Gravador de Dados do Voo, equipamento também chamado de “caixa preta”. A polícia de Zurique, Suíça, que conduziu investigação independente, descobriu que a investigação feita pelo governo do Equador encobria falhas graves. Por exemplo, o relatório do governo do Equador sobre a queda do SKA, não mencionava que os motores do avião estavam desligados quando a aeronave colidiu contra a parede da montanha.

Embora Campos não fosse inimigo dos EUA, sua morte em circunstâncias suspeitas, apenas poucos meses antes da eleição presidencial, substituído, como candidato, por elemento importante na infraestrutura política coordenada por George Soros, cria alguma dificuldade eleitoral para a presidenta Rousseff, que Washington, sem dúvida possível, vê como adversária.

Com Rússia e África do Sul absolutamente inacessíveis para esse tipo de ardil, restam Índia e Brasil, como alvos dos esforços da CIA e de Soros para fazer rachar e desmontar o grupo BRICS. Embora o governo do direitista Narendra Modi na Índia esteja apenas começando, há sinais de que pode vir a ser a cunha de que os EUA precisam para desarticular os BRICS. Por exemplo, a nova Ministra de Relações Exteriores da Índia, Sushma Swaraj, é conhecida como empenhada e muito comprometida aliada de Israel.Os EUA e Soros pesquisam já há muito tempo várias vias para invadir e desmontar, por dentro, o grupo das nações BRICS. A tentativa de Soros-CIA para pôr na presidência da China um homem como Bo Xilai foi neutralizada, porque os chineses conseguiram capturá-lo e condená-lo por corrupção, antes.

Outubro de 2013 – cria-se o “Cavalo de Tróia”

No Brasil, hoje governado por Rousseff, a melhor oportunidade para infiltrar no governo um dos “seus” parece ser, aos olhos da CIA e Soros, a eleição de Marina Silva. Seria como um “Cavalo de Tróia” infiltrado no comando de um dos países do grupo BRICS, em posição para atacar por dentro aquele bloco econômico, mais importante a cada dia.

A queda do avião que matou Eduardo Campos ajudou a empurrar para muito mais perto do Palácio da Alvorada, em Brasília, uma agente-operadora dos grupos financiados por George Soros.

________________________________

[*] Wayne Madsen é jornalista investigativo, autor e colunista. Tem cerca de vinte anos de experiência em questões de segurança. Como oficial da ativa projetou um dos primeiros programas de segurança de computadores para a Marinha dos EUA. Tem sido comentarista frequente da política de segurança nacional na Fox News e também nas redes ABC, NBC, CBS, PBS, CNN, BBC, Al JazeeraStrategic Culture e MS-NBC. Foi convidado a depor como testemunha perante a Câmara dos Deputados dos EUA, o Tribunal Penal da ONU para Ruanda, e num painel de investigação de terrorismo do governo francês. É membro da Sociedade de Jornalistas Profissionais (SPJ) e do National Press Club. Reside em Washington, DC.

A morte e o espetáculo do oportunismo

Por Camille Helena Claudel no Café História

Marina sorridenteUm trágico acontecimento marcou mais uma vez o mês do agosto, um dito, adágio popular frisa agosto, o mês do desgosto…  Na última semana a morte prematura e inesperada nos privou de 7 vidas, 7 profissionais competentes em suas funções;  as vítimas estavam envolvidas na campanha à presidência do PSB:  Pedro Almeida Valadares Neto, o assessor de imprensa, Carlos Augusto Ramos Leal Filho (Percol), Alexandre Severo Gomes e Silva (fotógrafo), Marcelo de Oliveira Lyra (staff da campanha), os pilotos Marcos Martins e Geraldo da Cunha e a vítima mais conhecida; o ex-governador de Pernambuco candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos.

Eduardo era um homem carismático, neto de Miguel Arraes, ex-governador caçado e perseguido pela ditadura, que apoiou as Ligas Camponesas propostas por Francisco Julião e se exilou na Argélia parte de sua vida. Por conta disso, Arraes ficou anos sem ver o neto a quem ensinou muito quando voltou, tornando-o um jovem político querido pelo ex-presidente Lula que o conheceu desde de pequeno, já que era amigo do seu avô. Lula acompanhou e ajudou na escalada política do jovem candidato a governador posteriormente. Na verdade, o apoio do PT nos seus dois mandatos como governador lhe valeu fama e bons dividendos para o estado.  Como um prematuro candidato rompeu com aliados fieis de longa data e negou o que havia recebido pelo PT: apoio e ajuda financeira para desenvolver enormemente Pernambuco, que chegou a ser o estado nordestino que mais se desenvolveu nos últimos anos. Tornou-se o governador mais popular cerca de 80% de aprovação. Na sua corrida pelo poder o candidato tentou agregar forças muito divergentes e muito conservadoras e alguns sem projeto pelo caminho. Morreu deixando essas forças tentando dialogar. Infelizmente, muitos acontecimentos “lamentáveis “se sucederam a morte de Eduardo, espetáculos envolvendo seu funeral e uma farta campanha nas imagens que se seguiu. A escola política oportunista e imediatista brilha intensamente.

 

A chocante morte de Campos no mesmo dia em que há nove anos se foi Miguel Arraes, nos deixa pensar sobre tudo, a efemeridade da vida e incertezas não só na política.  Mas foi politicamente que o quadro mudou e tomou formas muito estranhas, com um manancial de dúvidas para os seus oponentes. Eduardo e Marina não emplacaram a promessa que pareciam ser e apesar da novidade, as aparições dos dois sempre esteve em descompasso, seja com o “organismo” que Marina criou e penetrou no partido PSB. A candidata da abortada Rede não parece confortável com as alianças que o PSB fez em Minas e principalmente em São Paulo, onde Marina não apoia o PSDB por serias divergências pessoais.  Não tem no PSB amplo apoio, de lideranças históricas como Luiza Erundina.

Aqui  https://www.youtube.com/watch?v=sOzIm6bHuUo

Além de tudo isso com a morte de Campos e a escolha de Marina Silva para seu lugar ficaram mais evidentes as enormes divergências de algo que se diz uma terceira via, o novo na política, mas apoiando fortemente em Santa Catarina o candidato ao senado Bornhausen, um vice muito ligado ao agronegócio escolhido, falaremos mais adiante sobre o apoio que existia ao PSDB paulista, no título de novo não se adequa em nada se for feita uma análise mais amiúde.

Sobre o acidente muitas dúvidas se instalaram sobre a manutenção do avião, modelo da Cessna, fabricante do jato Citation 560 XL que foi emprestado por empresários. Agora se discutem falhas no modelo envolvendo o trem de pouso , o cansaço do piloto com uma rotina extenuante. Aqui   http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2014/08/imagens-inedit…

Eduardo morreu a caminho de um encontro com bancos internacionais junto com Marina, essa decide ir do Rio a São Paulo diretamente, apesar de convidada por Eduardo Campos, iria para um evento na cidade de Santos chamado Santos Export. Marina havia aceitado mas, surpreendentemente no último minuto muda de ideia e decide ficar pra um debate segundo sua assessoria, certamente para organizar o evento com banqueiros internacionais que tem enorme simpatia por ela. 

Marina Silva vale lembrar tem uma relação tumultuada com partidos dos quais fez parte como PT e PV e tentou fundar a Rede Sustentabilidade, partido não partido, que continua sendo um mistério até na sua criação, pois não teve as assinaturas necessárias para registrá-lo embora se apoiasse nos vinte milhões de votos que teve Marina nas eleições anteriores para presidente mas servindo apenas embolar o jogo no meio  da eleição em 2010, sua saída dos partidos também não foi muito pacifica. Ela saiu do PT envolvida em denúncias com seu marido, que até ontem ocupava um cargo do partido que Marina ataca, como entre outras coisas “CHAVISTA”. A Os problemas dão conta de um cargo pedido pelo PT.  Mas as ligações com ONGs que repassavam madeira pra Cikis madeireira é o que dá a dimensão dos problemas de Marina. Junto com seus financiadores Natura e Itaú envolvidos em denúncias de debito tributário e no caso da natura exploração de trabalho indígena. Aquihttp://oglobo.globo.com/brasil/a-dupla-militancia-do-marido-de-mari…   aqui    http://oglobo.globo.com/brasil/a-dupla-militancia-do-marido-de-mari…     aqui  http://oglobo.globo.com/brasil/a-dupla-militancia-do-marido-de-mari…    ainda aquihttp://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/02/marina-silva-e-os-bil…

Outro fato a citar foi que depois da morte de Eduardo, em um funeral campanha que criou atrito entre um aliado de ocasião que na verdade foi sempre um  opositor ferrenho a Eduardo Campos : Jarbas Vasconcelos , a briga seria pela presença do  ex-presidente Lula amigo da família e a presidente Dilma que ocasionou uma efusiva manifestação de carinho por parte de Duda , Eduarda a primeira filha do ex-governador morto e a confissão que votaria na indicada por Lula  o próximo evento foi ao aniversário da viúva e a falácia do discurso usando o candidato falecido A viúva Renata Campos na data seria o aniversário de Renata em uma casa de festas conhecida em Recife a que o governador desejava comparecer antes da tragédia.  Numa primeira fala já se mostra disposta a transformar seu luto em comício no dia do seu aniversário, em suas palavras:

“Como participei a vida toda de campanhas, não será diferente nesta. #Pelo contrário, tenho a sensação de que tenho que participar por dois a tragédia. Tem sido muito cotada como vice da outra e consorte do ex governador e mostra que é hábil em articulações também. O PSB a cogita para coordenar a campanha estadual… o que se fara por enquanto é dúvida “A gente (ela e Eduardo) queríamos consolidar essa vitória. Acho que só depende de nós. Estou aqui com Duda, João, Pedro, José e Miguel para dizer: Paulo (Câmara), Raul (Henry) e Fernando (Bezerra), contem com a gente”, prontificou-se. O nome de Marina Silva, que deve assumir a cabeça de chapa do PSB para a corrida presidencial, não foi citado nenhuma vez, bem como nada se falou sobre a disputa nacional. No início do evento, porém, o prefeito do Recife Geraldo Júlio (PSB), anunciou que a reunião seria restrita ao cenário local.

Nos discursos, enfaticamente se fala sempre em “se fazer a vontade de Eduardo”. Renata também puxou o coro para manutenção da memória do marido durante a campanha. “Pode parecer que o nosso maior guerreiro não está na luta, mas os seus sonhos estarão sempre vivos em nós”. O encontro desta segunda estava na agenda do presidenciável Eduardo Campos há uns dez dias. Ele viria a Pernambuco para o aniversário da esposa, que seria comemorado durante a noite. “Ele pediu para marcar essa reunião. Depois da tragédia ele Sileno me perguntou ‘e agora’ e eu disse, mantem tudo como estava”, comentou Renata ainda durante o discurso. Os presentes cantaram parabéns para ela por duas vezes. Na parte de trás, um bolo de três andares estava preparado, mas não chegou a ser cortado.

Durante o evento, a militância do PSB, que lotou a casa de recepções Blue Angel, no Derby, pediu que a ex-primeira-dama de Pernambuco assumisse o posto de vice, mas ela não tocou no assunto. Renata completou nesta segunda (18) 47 anos:

Veja na íntegra o discurso de Renata Campos durante o encontro com a militância do PSBAcho que devem estar pensando. Renata aqui hoje. Eu estava, como estive em tantos momentos ao lado de Dudu, quando ele pediu para marcar essa reunião. Depois da tragédia ele Sileno me perguntou ‘e agora’ e eu disse, mantem tudo como estava. Como participei a vida toda de campanhas, não será diferente desta. Pelo contrário, tenho a sensação de que tenho que participar por dois. E aí vim porque sei da vontade dele e da importância que tem esse trio. A gente comentava sempre, depois de todos esses anos, de todo o trabalho sabendo que muita coisa ainda precisa ser feita, outras consolidadas. A gente pensava precisamos consolidar essa vitória. Acho que só depende de nós. Estou aqui com Duda, João, Pedro, José e Miguel para dizer Paulo, Raul e Fernando, contem com a gente. Pode parecer que o nosso maior guerreiro não está na luta, mas os seus sonhos estarão sempre vivos em nós. Fica tranquilo Dudu, teremos a sua coragem para mudar o brasil. Não desistiremos do brasil, é aqui que cuidaremos dos nossos filhos.  

 Existe uma mistificação da figura de Renata e de Marina, ambas se autopromovem e pela sua militância como figuras sinaladas pela sorte pelo destino uma farsa já vista em diversos momentos em uns pais de crédulos como o nosso. Para uma campanha madura só resta discutir conceitos , então diante de certas afirmações  :        aqui

  http://www.diariodocentrodomundo.com.br/mariana-e-a-providencia-div…


A PALAVRA DE ORDEM É DESMISTIFICAR TANTO A SUPOSTA JACQUELINE KENNEDY QUANTO A D. SEBASTIÃO DE SAIAS, UMA ESTÁ MAIS PRA LADY MACBETH E A OUTRA PRA TESTA DE FERRO DO CAPITAL INTERNACIONAL E FORÇAS CONSERVADORAS. AMBAS RESPONDEM A ANSEIOS E PROJETOS PESSOAIS DE PROTAGONISMO

Marina por onde passou deixou isso bem claroque  é ungida e  inclusive não  beneficiou  com seu protagonismo em nada os partidos onde se filiou. A surpresa é Renata Campos, atuante na política … talvez mas também tenha influenciado na escolha azarada de Eduardo Campos ser candidato em vez de esperar uma indicação que certamente viria de seu aliado e amigo de longa data com o qual o governador rompeu politicamente para seguir carreira solo. Renata se revela muito interessada em política, influenciando em questões simples no palácio como nomear para guarda cerimonial, até a provável influência decisão de se candidatar antes do tempo proposto por seu maior aliado tomada por Eduardo .

Depois de tudo está claro que Renata não saíra como vice na chapa encabeçada pelas 2 apesar de se dizerem amigas. Renata porem não desistirá de articular as coisas.  Os nomes mais cotados pra a vice ficou mesmo com Beto Albuquerque perfil bem pouco “alternativo “como pensa a REDE, e chegou a se cogitar o pernambucano Danilo Campos dois quadros do PSB  mais  ligados a essência do partido digamos . Agora os grupos que apoiavam Eduardo Campos sem SP se fecham de vez e acabou o dito Edualdo, que combinava Eduardo com seu carisma que aliado Alckmin assustava o candidato do PSDB.

Com a escolha de Marina migram todos para a campanha de Aécio novamente. quanto ao vice escolhido o gaúcho Albuquerque líder do PSB na câmara muito próximo ao agronegócio   é bem duro com Marina no tocante a sua posição indefinida e seu projeto da Rede , fala claramente que ela DEVE  se alinhar dentro do PSB e abandonar  a Rede  cumprindo através de documento com suas  obrigações e fidelidade ao partido que escolheu A REDE que se cuide ,  as parcas ideias  que por ventura alguns defendiam  sucumbiu de vez ao pragmatismo do agronegócio e ao desejo incontido e avassalador que Marina tem de ser  presidente qualquer custo , a postura do PSB  também   já  demonstra  a confiança  na  pessoa de Marina silva  pela escolha do  vice  em que nível está.  A escolha Albuquerque … fica claro que o PSB quer manter Marina nas linhas … ou seja nas linhas do contrato que assinará …  

Aqui   http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,para-deputado-mari…

 P.S.: As imposturas de Marina são importantes pois desmontam suas mistificações das “teias de Deus” “providências divinas “e similares. Ela tenta se vender como um dom Sebastião de saias… “destino manifesto ” do país in persona … a tosca e medíocre verdade é o q tem por trás de Marina: são as forças conservadoras de sempre e o Mercado alijados do poder, em sua plenitude, atualmente, na América do Sul. Com uma fala q descarta a realidade da esquerda e a direita oferece o suposto novo da ” terceira via…”…. nas mesmas coligações de sempre… festejando um funeral “copiosamente”. Esses, os de antes, têm em Marina uma esperança de volta: não vão querer desistir de explorar o Brasil.

Saiu na Folha de São Paulo: Aécio adota na TV tese fácil e enganosa sobre redução do gasto público

Em artigo no Blog DINHEIRO PÚBLICO , a Folha de São Paulo desmonta as mentiras do Programa do Aécio. Vai a matéria, que fala por si.

 

Aécio pinguçoAécio adota na TV tese fácil e enganosa sobre redução do gasto público

Na tentativa de se vacinar contra a acusação de pretender cortar programas sociais, o presidenciável tucano Aécio Neves adotou uma tese fácil e enganosa sobre a redução do gasto público.

“Tem outro jeito: gastar menos com o governo e mais com as pessoas”, diz a propaganda do PSDB na TV.

A mensagem é fácil de defender, por associar a possibilidade de mais benefícios à população à redução do custo da máquina administrativa federal -com um ataque implícito ao aumento do número de ministérios, estatais e cargos promovido pela administração petista.

E é enganosa porque a quase totalidade da escalada das despesas federais nos últimos anos está ligada à área social, ou, nas palavras do candidato, aos gastos “com as pessoas”.

Só os programas tradicionais de transferência de transferência de renda às famílias -aposentadorias, pensões, auxílios, seguro-desemprego, abono salarial e benefícios a idosos e deficientes- saltaram de 6,7% para o equivalente a 9% do PIB (Produto Interno Bruto) entre o final do governo FHC e o ano passado.

Não está nessa conta o Bolsa Família, que unificou e multiplicou os gastos dos programas assistenciais anteriores.

Já os gastos do governo “com o governo” não apresentam sinais visíveis de elevação no período. Os gastos com pessoal ativo e inativo, por exemplo, caíram de 4,8% para 4,2% do PIB.

A redução do número de ministérios e cargos de confiança, defendida por Aécio, pode trazer melhora de gestão, mas não uma economia relevante a ponto de contribuir para o combate à inflação.

Os especialistas que postulam maior controle das despesas federais apontam ser necessário no mínimo reduzir o ritmo de alta dos gastos “com as pessoas”.

Marina, os bagres e as lamparinas

usina-de-jirau

Usina de Jirau produzirá energia equivalente ao consumo de 10 milhões de casas

Dilma fez uma visita às hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio

Lamparinas eram muito comuns no passado. Muitos no Brasil não tinham luz elétrica em casa. O Luz para Todos, um programa criado pelo Lula, já atendeu mai de 4 milhões de domicílios. São principalmente famílias rurais que antes só usavam lamparinas. Neste mesmo período continuamos tendo um crescimento econômico substantivo no país, apesar da crise que campeava e ainda resiste mundo afora. Milhões de empregos foram perdidos no mundo. Aqui no Brasil, pelo contrário, continuamos crescendo e gerando milhões de empregos. Para continuar a crescer, precisamos de energia elétrica. O Brasil tem o maior manancial de rios do mundo e a energia hidrelétrica, muito menos poluente do que a energia a carvão e muito menos perigosa do que a energia nuclear, é uma alternativa energética para o Brasil. Foi Lula, respaldado pela então Ministra Dilma que desenhou os caminhos para que o Brasil assentasse as bases do seu futuro durante seus governos.E um dos pilares destas bases econômicas é o da energia. Foi por conta da ânsia de Lula e Dilma por construirmos bases energéticas fortes que acabaram fazendo com que Marina Silva a época saísse do governo. E foi rememorando esta época, que o Presidente Lula em uma reunião no Parana em 2009 contou um episódio referente as obras de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira, que foi descrito nas páginas dos Jornais à época: “Disseram que nãoLamparina podia fazer hidrelétrica por causa dos bagres.Eu perguntei: que bagres?” ai, segundo Lula, Marina  Silva, Então Ministra, não conhecia nenhum bagre.”É o mandi chorão, que você tá falando?, É o Bagre africano? É o pintado? É a pirarara? É o cachara? Na verdade era uma coisa muito teórica”. (Matéria pode ser lida clicando aqui: Lula não esquece dos bagres do Rio Madeira) . Houve até quem sugerisse dinamitar o que já houvera sido feito de obras no local das usina. Não há dúvidas quanto a necessidade de mitigar toda e qualquer interferência no meio ambiente. Mas há que se considerar também o desenvolvimento econômico e social. E energia é fundamental para termos mais desenvolvimento econômico. E só com desenvolvimento econômico ampliaremos ainda mais o desenvolvimento social que Lula e Dilma trouxeram para o Brasil.  Esta é uma das diferenças fundamentais entre aqueles que querem o desenvolvimento sustentável e os que se apegam a “coisas muito teóricas” como diz Lula, e acabam apostando no não desenvolvimento. 

E para quem acha que não é possível mediar o desenvolvimento, a geração de energia e as devidas adquações no meio ambiente, reproduzo abaixo artigo do Instituto Humanitas Unisinos 

 

Os bagres de Lula vão sobreviver às usinas do madeira

 Uma boa notícia para os ambientalistas, desenvolvimentistas e o futuro do País, tanto do ponto de vista da preservação das espécies quanto da melhoria da infraestrutura e geração de eletricidade. As hidrelétricas de Jirau e Santo Antonio, no Rio Madeira, não vão exterminar os peixes amazônicos. E nem os peixes vão parar a produção de energia das usinas – 6.600 megawatts.

Pesquisa em genética com duas espécies de grandes bagres da Amazônia – dourada (brachyplatystoma rousseauxii) e piramutaba (brachyplatystoma vailantii) – feita pela cientista Jacqueline da Silva Batista, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), confirma não somente a hipótese migratória desses dois peixes, mas também que eles podem ser considerados como uma única população para fins de manejo e conservação. Significa que cruzam entre si e não somente entre os que nascem em determinado rio.

Jacqueline coletou e estudou dois tipos de DNA (mitocondrial e microssatélites) de 700 indivíduos de dourada em 33 localidades de 12 macrorregiões da Amazônia brasileira e três da Amazônia peruana. Foi colhido material das douradas no eixo Solimões/Amazonas e nos Rios Madeira, Purus, Japurá, Içá, Juruá, Tapajós e Branco, no lado brasileiro, e nos rios Amazonas, em Iquitos, Madre de Dios, em Puerto Maldonado, e Ucayali, em Pucallpa, do lado peruano.

Também foi coletado o DNA de cerca de 300 piramutabas. O material foi conservado em álcool e depois levado à sede do Inpa, em Manaus, onde Jacqueline verificou que em toda a Amazônia brasileira e peruana há uma única população de douradas – o mesmo vale para as piramutabas. Verificou também que a maior concentração da variabilidade genética da dourada está no Estuário do Amazonas – Belém, Macapá e Ilha do Marajó. Os estudos sobre douradas e piramutabas completam 12 anos em 2011.

Jacqueline fez seus estudos junto com Kyara Formiga Aquino, Izeni Pires Farias (coorientadora) e José Alves Gomes, seu orientador. Os trabalhos foram financiados pelo CNPq, Fundação de Apoio à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), Pro-Várzea/Ibama, Procad/Capes, Inpa/MCT e Instituto de Investigação da Amazônia Peruana (IIap).

As douradas e piramutabas, ao lado do babão, são a população principal dos grandes bagres da Amazônia – existem ainda centenas de outros, menores e não tão importantes para pesca. No Madeira, por exemplo, estão concentrados de 25% a 30% de todas as douradas pescadas na Amazônia. O Madeira é um rio de águas barrentas, que carregam sedimentos que descem dos Andes. Na fase adulta, a dourada chega até a 1,92 metro. É predador de espécies menores. Segundo Jacqueline, a piramutaba e o babão têm hábitos semelhantes à dourada. Mas não houve pesquisas com o babão.

Antes dos estudos feitos por Jacqueline e uma equipe de outros quatro cientistas com dois dos grandes bagres amazônicos, o estudo mais conhecido sobre douradas e piramutabas era a teoria de Ronaldo Barthem e Michael Goulding (Os bagres balizadores: ecologia, migração e conservação de peixes amazônicos, 1977, Editora CNPq). Por essa teoria, algumas espécies de bagres fazem extensas migrações para completar seu ciclo de vida, englobando o território de pelo menos cinco países amazônicos.

Ainda conforme os estudos de Barthem e Goulding, as formas juvenis dos grandes bagres se desenvolveriam no Estuário Amazônico, onde ficariam em torno de dois anos até atingir cerca de 40 centímetros. A partir daí, iniciariam sua migração de mais de 3 mil quilômetros rumo às cabeceiras dos rios que nascem na Cordilheira dos Andes, já na Bolívia e no Peru, onde desovariam. O estudo de Jacqueline confirma essa teoria.

Mas avança um pouco mais. Nos estudos com douradas e piramutabas, eles concluíram – com base nos exames com dois tipos de DNA – que os bagres não praticam o “roaming“, quando, já na fase adulta, voltam ao local onde nasceram para desovar.

O “roaming” mais conhecido é o do salmão. Os do Atlântico voltam à água doce para reproduzir, quase sempre ao mesmo rio em que nasceram. Esse incrível sentido de direção dos salmões ainda não tem uma resposta pronta dos cientistas.

“Com os resultados obtidos no doutorado em Genética, Conservação e Biologia Evolutiva, não foi possível confirmar esse comportamento (de roaming). A dourada e até a piramutaba podem escolher outros locais para reproduzir”, afirmou Jacqueline. A dourada da Amazônia brasileira e peruana reproduzem entre si. O mesmo vale para a piramutaba.

Levando-se em conta a teoria de Barthem e Goulding, predominante, e o fato de o Rio Madeira concentrar a maior população de douradas, os grandes empreendimentos no rio passaram a ser atacados por ONGs ambientalistas e até por setores do governo em 2007, gerando uma crise no governo do ex-presidente Lula.

Ao negar a licença prévia para as duas usinas, em abril de 2007, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) gastou 10 páginas de seu parecer para dizer que as obras ameaçavam os peixes. O relatório afirmou que as duas espécies maiores – dourada e piramutaba – empreendem migrações macrorregionais, estando entre as maiores conhecidas para peixes de água doce no mundo.

Ainda segundo o parecer de Barthem e Goulding, as duas espécies precisariam de diferentes áreas da Bacia Amazônica para completar seu ciclo. Ou seja, as usinas do Madeira seriam mortais. O argumento irritou o ex-presidente e ele não só mandou a demitir parte da cúpula do Ministério do Meio Ambiente na época, como dividiu o Ibama em dois, criando o Instituto Chico Mendes. “Jogaram o bagre no meu colo”, reclamou Lula. Logo ele, que sempre se gabou de pescar jaú, um bagre do Sudeste.

Premido pela necessidade de encontrar um jeito de gerar mais energia, sob risco de o País ter um apagão maior do que o de 2001/2002, e bravo como um pescador que deixou escapulir o jaú, Lula determinou novos estudos. E tanto pressionou o Ibama que o instituto recuou e deu as licenças prévias. Posteriormente, veio a autorização para o início das obras e as duas usinas começaram a ser construídas – uma em Porto Velho, outra a 130 km, ambas no Madeira. Devem começar a gerar energia a partir de 2012, num total de 6.600 megawatt.

Santo Antônio

No momento, Jacqueline Batista, Kyara Formiga, José Alves Gomes, do Inpa – seus companheiros nos estudos com a dourada e a piramutaba -, e Cláudio Oliveira, da Unesp/Botucatu, estão fazendo um estudo para o consórcio que constrói Santo Antonio. O objetivo é estimar a variabilidade genética e saber se existe alguma diferenciação entre a população de dourada, piramutaba e babão que vivem abaixo e acima da Cachoeira de Teotônio, antes e depois da construção da barragem.

Resultados preliminares divulgados no dia 13, em Porto Velho, mostraram que o babão tende a apresentar o mesmo resultado da dourada e piramutaba. Estudos em corredeiras fortes, como as de Puerto Maldonado, no Peru, e de Riberalta, na Bolívia, demonstraram que os peixes passaram de um lado para o outro. Desse modo, é provável que a barragem de Santo Antonio não seja um obstáculo tão forte para os bagres.

A pesquisadora disse que a posição das usinas do Madeira causará impacto na vida dos peixes. “É inevitável. Se há uma construção dessa magnitude, há impactos. O que podemos fazer é construir alternativas para que o impacto seja o menor possível. Por isso os estudos são importantes.”

Programa eleitoral do Aécio: uma furada atrás da outra

Postado originalmente em Blog do Renato:

E mais uma vez o senador Aécio Neves abusou no desconhecimento sobre a situação do Brasil real. Disse ele que o Brasil vive hoje uma situação pior que em 2010, que a inflação está batendo na porta, que a economia brasileira parou de crescer e tanto blá blá blá que os pouco mais de quatro minutos pareceram uma eternidade e, de boa,a impressão que dá é que até ele, se assistir o seu programa eleitoral novamente, vai votar em Dilma.

E Aécio falou: “A verdade é que hoje o Brasil está pior do que estava há quatro anos atrás. (…) algumas das principais conquistas que nos trouxeram até aqui hoje estão em risco”

Mas essa é a realidade: A situação do país é tão ruim, mas tão ruim que, hoje, 75% da população brasileira está nas classes A, B e C, contra 45% em 2002, último ano…

Ver original 990 mais palavras

Por que participar do Plebiscito pela Constituinte?

Postado originalmente em Blog do Nikoska:

plebiscito-branco

Via Bancários de Curitiba

Os movimentos sociais de todo o Brasil estão engajados com o Plebiscito Popular da Constituinte pela Reforma Política exclusiva e soberana. São mais de 600 comitês espalhados por todo o Brasil que organizam e preparam o evento, que acontecerá durante a semana da pátria, de 01 a 07 de setembro.

Na prática, será realizada uma ampla consulta para saber a opinião da população a respeito da convocação de uma constituinte para a elaboração de um novo sistema político para o Brasil.

O plebiscito, que não tem caráter oficial, conta com o apoio de 250 entidades em todo o Brasil. O objetivo é ter um parâmetro de qual é a avaliação do povo brasileiro a respeito de mudanças no sistema político, que hoje no âmbito eleitoral, privilegia financiamento privado de campanha. O resultado é que mais de 70% dos parlamentares são empresários ou fazendeiros, enquanto a representatividade…

Ver original 816 mais palavras

Mendelski, sobre a pesquisa Methodus: Esses números circulam há muito tempo nos bastidores

Postado originalmente em rsurgente:

O jornalista Rogério Mendelski achou curiosos os números da pesquisa divulgada pela revista Voto, segunda-feira (18), que apontam a senadora Ana Amélila Lemos (PP), em primeiro lugar na disputa para o Palácio Piratini, com 42% das intenções de voto, contra 30% do atual governador Tarso Genro. Ao comentar a pesquisa com o jornalista Juremir Machado da Silva, no programa Bom Dia, da rádio Guaíba, Mendelski disse que esses números circulam pelo menos há dois meses e que ouviu esses mesmos números da boca de Celso Bernardi, presidente do PP, em um restaurante do Barra Shopping. Mendelski considera a hipótese dos números terem se repetido, mas apontou o fato curioso. Veja áudio e texto abaixo do comentário do jornalista da rádio Guaíba:

“Essa pesquisa, esses números, circulou durante muito tempo pelos bastidores. Eu não sei se essa pesquisa é nova, se não é, mas esse número, exatamente esse número, quem me…

Ver original 74 mais palavras

Comício de Tarso, Lula, Dilma e Olívio será na próxima sexta e será #MaiorComícioColaborativo

Comicio

 

Vamos agitar o #MaiorComícioColaborativo do RS! E você vai ajudar a construir essa história.

Grave um vídeo dizendo que vai participar do comício no Gigantinho. E não importa se você vai estar na sua casa, escola, trabalho ou mesmo em outra cidade. Dá pra dizer que vai assistir pelo site e acompanhar pelo Twitter e pelo Face. Mande pelo e-mail compartilhe @tarso13.com.br ou por whatsapp, no número +55 51 9730.3113.

http://bit.ly/1tlcbEz — com Apoiadores De Tarso Genroe Olívio Dutra.

 

Um emocionante vídeo de um minuto sobre discriminação e invisibilidade

O 1º Programa da Dilma e do Lula na TV (vídeo): Nunca, jamais desistir do Brasil!!!

“Nunca, Jamais desistir do Brasil”. Com esta frase de Eduardo Campos, e em homenagem a ele, é que Lula encerra este primeiro programa da Dilma Presidenta. Programa que mostra uma síntese do que foram os grandes avanços que o Brasil teve nestes últimos 12 anos, em especial nos 4 anos de gestão da Presidenta Dilma. Brasil Sem Miséria, PRONATEC, Minha Casa Minha Vida, PROUNI, e todos os grandes programas criados ou ampliados por Dilma estão sintetizados neste emocionante vídeo de 12 minutos.


Luiz Müller

Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 8.674 outros seguidores