Imprensa estrangeira e brasileira, dois olhares sobre um mesmo país

O jornal espanhol “El País” deu neste domingo uma série com editorial, artigos e reportagens. Entre os enunciados, “América Latina recobra o alento” com “A pujança do Brasil e a alta das matérias primas”; “Rio 2016, uma oportunidade para as empresas espanholas”; e “Eldorado carioca”, sobre a “centena e meia” de empresas que já “falam brasileiro”.

Jornais espanhóis, do país basco à Catalunha, foram na mesma linha do madrilenho “El País” e publicaram longos textos com enunciados como “O poderio do Sul” e “Lula, el conseguidor”, de louvor ao presidente brasileiro.
E ontem foi o argentino “La Nación” que fez editorial,  sob o título “Brasil nas grandes ligas”, afirmou que o presidente Lula projeta o país a “líder regional e ator global de primeira ordem”.
O “New York Times” de domingo publicou em longa reportagem que os “Emergentes realizam retorno”, com destaque para a recuperação no preço das commodities e a reação do Brasil. Com imagem de colheita de soja, sublinhou aposta na Petrobras
Vamos ver agora, as manchetes dos jornais brasileiros?

Folha:Governo [Lula] patrocina uniforme em ano eleitoral

O Globo: Em um ano, governo [Lula] cria 26 mil cargos

Imprensa estrangeira e brasileira, dois olhares sobre um mesmo país
Um artigo que eu recebi por email.ilustra as notícias de hoje. O artigo, fala que, desde a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, a imprensa brasileira, em geral, tem procurado esconder os avanços sociais e econômicos do Brasil. Em contrapartida, nos Estados Unidos e na Europa, não se cansa de assinalar os êxitos do governo do PT e aliados.
No exterior, dá-se ênfase ao novo papel do País no mundo, à redução da pobreza e a outras conquistas. Lula foi chamado pela revista americana Newsweek de “o político mais popular do mundo”, mas o tratamento que recebe no Brasil é o oposto.
“Enquanto Lula e seu governo são celebrados em todo o mundo, quem lê a imprensa brasileira vai achar que existem dois ‘brasis’ diferentes”. Até o ex-presidente de Portugal, Mário Soares, percebeu a existência de duas “realidades” bem distintas, a do Brasil real e a mostrada pelos grupos de comunicação. Dois “países” que não se comunicam e se estranham.
O fenômeno da partidarização da mídia ocorre há décadas e coincide com mandatos de governos de caráter popular como Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart e, agora, Lula. “Hoje não se observam mais os manuais de redação que preconizam ouvir todas as partes envolvidas numa mesma matéria”, sublinha Emiliano, que é jornalista e professor universitário aposentado de Comunicação Social.
Não falta má vontade. Na Suíça, em evento na Organização Internacional do Trabalho, Lula foi aplaudido de pé, numa consagração reservada a poucos na história da entidade. No Brasil, porém, os jornais e emissoras de TV ignoraram o fato. “O Brasil e seu presidente estão ‘bombando’, mas quem quiser se informar tem que procurar fontes externas de informação, com raras exceções”, disse o parlamentar.
Outro caso é a superação, pelo Brasil, da turbulência econômica iniciada há um ano. O fato foi noticiado e comemorado por órgãos estrangeiros como o Le Monde, BBC, El País, Financial Times e The Economist, mas a mídia nacional relatou o fato tardiamente. “Sob o comando de Lula, ficamos praticamente blindados à crise, mas nossa imprensa tentou aterrorizar a população de que estaríamos no pior dos mundos”.
Procura-se, sempre, criar notícias que levem ao pânico ou à distorção da imagem de um governo ligado aos interesses do povo”A imprensa brasileira é conservadora e, com sua abordagem distorcida, torna-se uma verdadeira ameaça à democracia. As oligarquias que detêm o controle dos meios de comunicação não toleram um governo popular”, comenta.
O mau jornalismo brasileiro a cobertura sobre o abrigo dado pelo Itamaraty, na embaixada em Honduras, ao presidente deposto daquele país, Manuel Zelaya. “Enquanto o Brasil tinha a solidariedade da comunidade internacional, de instituições como a ONU e OEA e até do presidente dos EUA, Barack Obama, a mídia brasileira tratou a diplomacia do governo Lula como adepta de uma suposta atitude ilegal.”

Para os deputados do PT, as distorções atuais devem ser um dos eixos centrais da 1ª Conferência Nacional de Comunicação, em dezembro. “A democratização do Brasil supõe a democratização da comunicação, com informações confiáveis e a superação da concentração da propriedade no setor”

Do Blog Amigos do Presidente Lula http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

About these ads

0 Responses to “Imprensa estrangeira e brasileira, dois olhares sobre um mesmo país”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Luiz Müller

Twitter


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 9.064 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: